O presidente Jair Bolsonaro reconheceu em discurso na manhã desta sexta-feira, durante a posse do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, que corre um risco ao defender a reabertura do comércio em cidades brasileiras em meio à pandemia do novo coronavírus. Ele também agradeceu "do fundo do coração" o agora ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, que compareceu à cerimônia, e disse que os dois serão julgados pela história.

Publicidade

O presidente Jair Bolsonaro reconheceu em discurso na manhã desta sexta-feira, durante a posse do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, que corre um risco ao defender a reabertura do comércio em cidades brasileiras em meio à pandemia do novo coronavírus. Ele também agradeceu "do fundo do coração" o agora ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, que compareceu à cerimônia, e disse que os dois serão julgados pela história.

- Desde o começo eu tinha uma visão, e ainda tenho, que nós devemos abrir o emprego, porque o efeito colateral do combate ao vírus não pode ser, no meu ponto de vista, mais danoso do que o próprio remédio - comentou Bolsonaro.

Ele também criticou medidas adotadas por governadores, sem citar nenhum deles nominalmente, citando "aquelas cenas de prender mulheres na praia, em praça pública".

- Eu não consigo entender isso daí. Não concordo - declarou o presidente. - Pena que eu não posso intervir em muita coisa, porque o Supremo [Tribunal Federal] decidiu - acrescentou, em referência à decisão de quarta-feira que garantiu autonomia a Estados e municípios para definir distanciamento social.



Bolsonaro disse ainda que, como vivemos em uma democracia, respeiterá a decisão do STF, mas apontou que as prisões de quem infringe a determinação de isolamento "atingem a alma de cada cidadão brasileiro".

- Não vou pregar desobediência civil, mas medidas como essas têm que ser rechaçadas por todos nós - afirmou.

Na saída da cerimônia, o vice-presidente Hamilton Mourão cumprimentou jornalistas que estavam no local à distância e comentou, dando risada:

- Tudo sob controle... Não sabemos de quem.

Com informações de Extra