A Associação Médica Brasileira pediu a revogação de uma nota técnica emitida na última terça (31) pela Anvisa que orienta os profissionais de saúde a usarem máscaras cirúrgicas comuns para lidar com pacientes suspeitos ou infectados com o novo coronavírus.


Publicidade

A entidade diz que ela não protege os médicos e enfermeiros como a máscara N95, mais espessa, que é usada na Europa e nos Estados Unidos e recomendada pela Organização Mundial de Saúde.

“Não existe nenhum trabalho científico que sustente a eficácia de máscara cirúrgica a menos de um metro de distância do paciente infectado, nem equivalência ao nível de segurança da máscara N95”, diz a AMB.


A associação alerta que médicos infectados e assintomáticos podem transmitir o vírus para dezenas de pacientes e também para os colegas dentro do hospital, caso usem a máscara comum.

“Os atendimentos também serão afetados, pois dependendo do caso, os profissionais de saúde que contraírem a Covid-19 podem ficar em isolamento por semanas, diminuindo a força de trabalho, justo no momento de maior demanda no combate ao vírus”, diz a AMB.

Na China, mais de 3,3 mil profissionais de saúde foram infectados e na Itália, 5,7 mil.

“Se estamos numa guerra, como dizem, não podemos mandar os soldados para a linha de frente sem armamento correto. Mas pior do que não ter armas de verdade para todos, é entregar estilingues e chamá-los de arma.”

Com informações de O Antagonista