Atribui-se ao senador americano Hiram Johnson a observação de que, "na guerra, a primeira vítima é a verdade".




Publicidade

A atual crise de saúde mundial permite uma paráfrase: "Na pandemia, a primeira vítima foi a verdade."

O repórter Duda Teixeira, em reportagem exclusiva da Crusoé , mostra que o alastramento da pandemia do novo coronavírus foi acompanhado por bloqueios governamentais (não só na China) que frearam a livre circulação de informações



A reportagem exclusiva mostra em detalhes o que diferentes governos fizeram para censurar informações e punir quem tentou alertar o mundo sobre o perigo do novo coronavírus.

E mostra os danos dessas ações para o mundo.

"A China escondeu informações sobre a extensão da epidemia de coronavírus, divulgando um número inferior ao real de caos de infectados e de mortes. Segundo um relatório secreto das agências de inteligência americanas, entregue para a Casa Branca na semana passada, os dados falsos e incompletos atrapalharam a ação de outros governos no mundo...

Para a China, mais importante que o bem-estar da população é a sobrevivência do regime. Permitir críticas em um momento que a economia já não cresce como antes seria um risco elevado para os burocratas. O mesmo raciocínio foi seguido por outros governantes autoritários, que também adotaram medidas para evitar o fluxo livre de informações e consolidar ainda mais o poder....

Na Hungria, o Parlamento aprovou um projeto de lei que pune com até cinco anos de prisão quem publicar notícias falsas sobre o coronavírus ou questionar medidas do governo... Na Venezuela, o ditador Nicolás Maduro recrudesceu as medidas para dominar totalmente o fluxo de informações..."

A reportagem é da revista Crusoé - CLIQUE AQUI PARA CONTINUAR A LER GRATUITAMENTE