Projeto da Universidade Federal da Paraíba levou apenas dois dias para ser desenvolvido

Publicidade

Em meio à pandemia global de coronavírus, uma equipe de pesquisadores do Centro de Ciências Exatas e da Natureza (CCEN), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) desenvolveu, em 48 horas, um ventilador pulmonar econômico, 37 vezes mais barato que o disponível no mercado.

Levou mais três dias para que o respirador estivesse protocolado no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e pronto para ser produzido em massa.

A demanda gerada pela Agência UFPB de Inovação Tecnológica (INOVA-UFPB) foi dada aos professores Railson Ramos, Mario Ugulino, Válber Almeida, Tiago Maritan e Marcos Alves no dia 28 de março. Quando o trabalho acabou, a equipe tinha um equipamento com tecnologia touchscreen, sistema multibiométrico e conectividade sem fio, para que o respirador possa ser monitorado e controlado remotamente via dispositivos móveis.



Uma das missões, o baixo custo de produção, foi cumprida com maestria, visto que o ventilador pulmonar da UFPR necessita de R$ 400 para ser fabricado, enquanto o mais barato do mercado sai por cerca de R$ 15 mil. O melhor é que a versão alternativa não é apenas emergencial e pode continuar sendo usada após a pandemia.

Além disso, a montagem do equipamento pode ser feita rapidamente, deixando-o pronto para operar em 60 segundos
.Reprodução

Agora, as empresas interessadas na fabricação do respirador devem entrar em contato com a INOVA-UFPB via e-mail (inova@reitoria.ufpb.br) para ter acesso à licença, que está aberta. As tramitações burocráticas com relação à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e ao Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) devem ser facilitadas por conta do contexto.

Com informações de: Agência UFPB de Inovação Tecnológica