Em entrevista nesta terça-feira, 7, o médico Antônio Henriques, vice-presidente do Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB), afirmou que o Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro, de Patos, localizado no Sertão do Estado, está carente de insumos e a estrutura da unidade não está preparada para enfrentar a pandemia de Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

Publicidade

– O Hospital Regional necessita urgentemente de insumos, de materiais. Tem uma quantidade pequena de ventiladores mecânicos e ainda está se preparando para o enfrentamento ao coronavirus. João pessoa e Campina são municípios maiores e parecem estar preparados. Foram feitos processos seletivos, materiais comprados e recebidos, o Trauma e o Pedro I muito bem preparados – afirmou.

Questionado se ele teme a falta de médicos no combate à pandemia na Paraíba, ele declarou que é preciso pensar nos equipamentos de proteção para os profissionais que estão na linha de frente lidando diretamente com os pacientes.

– Num primeiro momento acredito que não, mas o que deve acontecer, como aconteceu no mundo inteiro, é que uma grande quantidade de médicos deve adoecer e por isso é importante os equipamentos de proteção – frisou.


A direção do Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro, em Patos, Sertão do Estado, esclareceu sobre a fiscalização do Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM/PB), ocorrida nesta terça-feira, 7.

Em nota, a diretora geral do Complexo, Liliane Sena, rebateu as denúncias de falta de insumos e sobre a estrutura no Hospital não atender aos requisitos para o combate do Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus.

Leia a nota na íntegra:

• Não procede a informação que o hospital não tem EPI’s para atuação com segurança de seus profissionais;

• A quantidade de EPI’s que se encontra no hospital, inclusive de máscaras N95, é suficiente para suprir a demanda interna destes equipamentos por, pelo menos, 10 dias. Adianto que nesta data foi feita a compra de mais 1000 máscaras cujo fornecedor deu um prazo de entrega de até 15 dias;

• Vale salientar que a dificuldade de compra e entrega num prazo mais curto destes produtos de uso individual não é uma problemática isolada de nenhuma unidade de saúde, mas, uma realidade mundial, devido a pandemia do Covid-19;

• Seguindo orientações das autoridades de saúde, instituímos protocolos internos para que diante da escassez de EPI’s no mercado, que as máscaras N95, salvo as devidas condições da mesma, possam ser reutilizadas de acordo com os protocolos das sociedades brasileiras de várias especialidades médicas que já emitiram pareceres neste sentido;

• A unidade também acabou de fechar uma compra de mais dois mil aventais descartáveis e impermeáveis, que são itens que já estavam sendo distribuídos com os profissionais da unidade, para regulação do estoque e já recebemos doações de protetores faciais;

• Por fim, reiteramos nosso compromisso com nossos pacientes e também com os profissionais que atuam na unidade para que todos possam se proteger em tempos de pandemia do Covid-19.

Liliane Sena
Diretora Geral do Complexo

Com informações de Paraibaonline