General julgou divulgação de vídeo "quase um atentado à Segurança Nacional"

O general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), se mostrou contrário à divulgação na íntegra do vídeo da reunião ministerial com o presidente Jair Bolsonaro, realizada em 22 de abril. Ele ainda classificou o pedido como "quase um atentado à segurança nacional".

Publicidade


"Pleitear que seja divulgado, inteiramente, o vídeo de uma reunião ministerial, com assuntos confidenciais e até secretos, para atender a interesses políticos, é um ato impatriótico, quase um atentado à segurança nacional", escreveu nas redes sociais.




Os advogados do ex-ministro da Justiça Sergio Moro pediram oficialmente ao ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quarta (13/5), que o mesmo autorize a divulgação, na íntegra, do vídeo gravado na reunião ministerial. De acordo com Moro, as gravações não registram assuntos que representam "segredo de Estado", como alega o governo.

A solicitação foi realizada no âmbito de um inquérito aberto no Supremo para apurar as declarações de Moro, que acusa o presidente Jair Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal com interesses políticos e pessoais. O vídeo, com pouco mais de duas horas de duração, registra o encontro de Bolsonaro com o corpo de ministros, no Palácio do Planalto.

Com informação do Correio Barziliense