Bolsonaro e os vazamentos de hackers

Além do presidente, também foram alvo de ataques de hackers os ministros da Educação e da Mulher e o empresário Luciano Hang

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse na tarde desta terça-feira (02/06) que o vazamento de seus dados pessoais, feito de forma criminosa pelo grupo de hackers Anonymous Brasil, é uma “clara intimidação” e que as “medidas legais estão em andamento”.

“Em clara medida de intimidação o movimento hacktivista ‘Anonymous Brasil’ divulgou, em conta do Twitter, dados do Presidente da República e familiares. Medidas legais estão em andamento, para que tais crimes, não passem impunes”, publicou o presidente em seu Facebook.

O chefe do Executivo teve os dados pessoais, como CPF e endereços, vazados na noite dessa segunda-feira (01/06) por um grupo de hackers chamado Anonymous Brasil. O grupo é um coletivo de hackers que atacam sites e, eventualmente, divulgam criminosamente arquivos na internet.


Também foram alvo da ação os ministros Abraham Weintraub (Educação) e Damares, Alves (Mulher, da Família e Direitos Humanos), além do empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan e políticos aliados ao presidente.

Os dados foram publicados no Pastebin, serviço on-line que permite a colagem de trechos de documentos e códigos para acesso compartilhado.

Pouco mais de uma hora depois, no entanto, as páginas já não estavam mais acessíveis na plataforma.

O Twitter logo agiu e suspendeu a conta derivada do grupo central brasileiro de hackers. Mas a organização prometeu que vai tentar disponibilizar novamente as informações.

Com informações de Metrópoles