Barragens nas cidades não alteraram nível de segurança após abalos chegarem a 2,7 na escala Richter                                  

Moradores de Itabirito, na Região Central de Minas, relataram tremores nessa sexta-feira (7). Segundo o Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP), o primeiro tremor foi detectado à 0h53 com magnitude de 2,1 na Escala Richter. Já o segundo foi registrado às 18h39 com maior potência, em 2,7. 

O segundo tremor chegou a ser sentido em Ouro Preto, cidade vizinha. Além desses, o plantão sismológico da USP investiga outros sismos que podem ter ocorrido em outros horários, de acordo com relatos da população desses municípios.  

        


O tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador-adjunto da Defesa Civil de Minas Gerais, explicou que os tremores não causaram nenhuma consequência estrutural para residências nem tão pouco para as barragens.
                  
“De imediato foi feito contato com todos empreendedores que têm barragem na região e todos nos afirmaram que não houve nenhum abalo na estrutura da barragem ou modificação de nível de segurança”, disse.

Segundo Godinho, a Defesa Civil em Ouro Preto e Itabirito monitora a situação. “Nenhuma pessoa ferida, sem nenhum imóvel com dano estrutural e todo o apoio está sendo dado naquele local”, completa.

De acordo com a USP, tremores dessa magnitude não são raros no Brasil e geralmente acontecem todas as semanas. “Não é possível saber a natureza ou a causa destes pequenos abalos. Normalmente são causados por pressões geológicas naturais presentes na crosta terrestre”, afirmou o Centro de Sismologia.  
                 
Com informações do estado de Minas