Fortaleza (CE) recebeu, nesta sexta-feira (11/9), o lançamento da primeira etapa das “Ações de Educação em Saúde em Defesa da Vida”, voltadas à prevenção ao suicídio e à automutilação a partir do Setembro Amarelo. A iniciativa, promovida pelo Ministério da Saúde e parceiros, foi apresentada em Brasília na quinta-feira (10/9) e agora começa a ser divulgada em capitais brasileiras. 

O objetivo é disponibilizar ações educativas e itinerantes de forma on-line para qualificar o conhecimento de profissionais da saúde, conselheiros tutelares, professores, líderes sociais, religiosos e de entidades beneficentes, tornando-os multiplicadores da prevenção. 

Realizado no Centro Universitário Christus (Unichristus), o evento contou com a presença do ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, que destacou a preocupação com a chamada quarta onda da pandemia da Covid-19, relacionada ao aumento de casos de doença mental. Para Pazuello, o Brasil sai na frente de outros países no combate a futuros casos de depressão e ansiedade ao construir novas políticas de prevenção, como é o caso das “Ações em Defesa da Vida”, e da disponibilização de novos tratamentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

"Nós estamos tentando mostrar a naturalidade que deve ser tratado o assunto, como qualquer outra doença. É uma construção. Observo as discussões sobre todos os tipos de remédio, medicamentos e outros tipos de compostos que estão sendo tratados. É uma construção também. O Ministério da Saúde vem trabalhando na implementação dos princípios ativos que permitem ter o uso, para o combate de doenças mentais, de componentes da maconha, que formam medicamentos ou vão formar algum tipo de terapia que melhorem as pessoas. O Ministério da Saúde está trabalhando nisso e teremos essa disponibilização no SUS", disse Pazuello. 


EDUCAÇÃO QUE SALVA VIDAS

A iniciativa “Ações de Educação em Saúde em Defesa da Vida” promove cursos a distância, encontros, palestras e elaboração de materiais para ampliar o atendimento em saúde, a formação nas escolas e nas comunidades. O site prevencaoevida.com.br abriga os conteúdos educativos. Através da página, são feitas as inscrições para as atividades de forma gratuita. O portal também abriga cartilhas e videoaulas. O público-alvo são adolescentes entre 11 e 18 anos e multiplicadores. A iniciativa é feita em parceria com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), o Ministério da Educação (MEC) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). 

"Nós acreditamos que a educação tem o poder de transformar o mundo. E quando a gente usa esse poder da educação com conhecimento sério, bem preparado, para formar a sociedade, a gente pode transformar gerações. E os três ministérios que se juntaram para fazer esse projeto, que nós apresentamos ao Ceará e vamos apresentar ao resto do Brasil, acreditam nisso. Que quando a gente chegar às escolas, a gente é capaz de transformar o Brasil e ser exemplo para o mundo", destacou Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), durante a cerimônia. 

Para a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, o Brasil é protagonista na luta pela defesa da vida. "Nós somos o primeiro país do mundo a ter uma política nacional de prevenção ao suicídio e à automutilação. E a primeira cidade do Brasil que a gente veio lançar é Fortaleza. É porque nós temos a consciência que esta é uma cidade pró-vida", ressaltou Damares. 

O lançamento do evento em Fortaleza também contemplou a palestra “O papel da sociedade na prevenção do suicídio e da automutilação”, proferida pelo presidente da ABP, Antônio Geraldo, que classificou as ações do Ministério da Saúde no tratamento de saúde mental como inovadoras e reforçou a importância da educação e da informação no combate ao suicídio e à automutilação.

"O Ministério da Saúde está inovando trazendo uma felicidade enorme para todos os 12 mil psiquiatras do Brasil e os 50 milhões de brasileiros que tem doença mental inaugurando ambulatórios de psiquiatria, ambulatórios de saúde mental. Isso é o que nós queremos. Nós queremos um sistema público que funcione, um sistema ambulatorial para você chegar, se tratar e ir para casa, para a gente salvar as vidas daqueles que tentam suicídio", disse Geraldo. 

As atividades de prevenção ao suicídio seguem em Fortaleza neste sábado (12/9), na Igreja Ministério Canaã do Brasil. As próximas cidades a receberem o lançamento das ações serão Belo Horizonte (18 de setembro) e Curitiba (24 de setembro). 

OUTRAS TEMÁTICAS

Nos próximos meses, as “Ações de Educação em Saúde em Defesa da Vida” também irão abordar mais três assuntos de forma inédita: gravidez na adolescência, uso de drogas lícitas e ilícitas e ética da vida (relacionada à prevenção da violência contra crianças, mulheres e idosos). Assim como na prevenção ao suicídio e da automutilação, as outras temáticas também vão promover atividades educativas e itinerantes.

“Com essas ações, o Ministério da Saúde espera levar à sociedade conhecimento de qualidade para que nós possamos, em um futuro bem próximo, reduzir esses tristes indicadores que afligem a sociedade brasileira”, concluiu a secretária Mayra Pinheiro.

Com informações do Ministério da Saúde