O conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado, Arthur Cunha Lima, é um dos alvos da nona fase da Operação Calvário deflagrada na manhã desta terça-feira (27). O conselheiro é investigado por crimes de lavagem de dinheiro.

Também são alvos da nova fase pessoas ligadas a um grupo empresarial e a uma das organizações sociais investigadas. As duas principais são a Cruz Vermelha Brasileira e o Instituto de Psicologia Clínica, Educacional e Profissional (Ipcep).

A nova fase da Operação Calvário foi deflagrada na manhã desta terça-feira (27) pela Polícia Federal, o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba (MPPB), a Controladoria-geral da União (CGU) e o Ministério Público Federal (MPF) para investigar a atuação de organização criminosa por meio da contratação fraudulenta de Organizações Sociais (OS), para gerir os serviços essenciais da saúde e da educação no Estado.


Seis mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos em João Pessoa, Cabedelo e em Brasília/DF, na nona fase da Operação Calvário, que busca robustecer o conjunto probatório de situações detectadas nas fases anteriores, principalmente no tocante aos indícios de crime de lavagem de dinheiro, havendo a utilização de recursos em benefício de empresários e agentes públicos.

Os mandados foram autorizados pelo ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O ministro autorizou, também, o bloqueio R$ 23,4 milhões dos investigados na nova fase da Calvário para reparação por danos morais e materiais.

Com informações de Parlamentopb