Foto: Lusa

Um em cada cinco italianos acredita que o novo coronavírus foi criado em laboratório e disseminado com o propósito de modificar os equilíbrios mundiais.

Outros 5% acreditam que o vírus não existe, mas que serve como pretexto para o controle das pessoas e da economia, de acordo com este inquérito realizado pela empresa SWG, numa amostra de 800 pessoas para o canal de televisão La7 e que apresenta uma margem de erro de 3,4%.

Entre os conspiradores, 33% acreditam que o vírus foi criado pelos chineses para enfraquecer outros países, 21% creem que são as multinacionais da internet que estão por trás do SARS-CoV-2 para enriquecerem, enquanto 20% acreditam que foi criado pelas elites globais para estabelecer uma ditadura sanitária e 16% atribuem-no à máfia para enriquecer e aumentar o seu poder.


Sobre a vacina, 44% seriam vacinados sem dúvida, 26% apenas se fosse obrigatório. Em contrapartida, 11% não o fariam mesmo que fosse obrigatório, enquanto 19% estão indecisos.

As pessoas entrevistadas são também muito críticas em relação aos jovens, considerando-os como o principal vetor de transmissão da covid-19.

Assim, 71% afirmam concordar um pouco ou muito com a seguinte frase: "os jovens de hoje cresceram no bem-estar, têm direito a tudo e mesmo em tempos de covid-19 não estão dispostos a qualquer sacrifício pelo bem comum".

A Itália, o primeiro país europeu afetado pela nova pandemia de covid-19 em fevereiro, ultrapassou as 50.000 mortes na segunda-feira, de acordo com o relatório das autoridades de saúde, que contabilizou mais de 1,4 milhões de casos positivos durante a emergência sanitária.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.397.322 mortos resultantes de mais de 59,2 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Com informações de NM