Por:

Marcos Nogueira


-Bom dia, Boca de todos nós!

-Bom dia, sem essa de "todos nós!".

-Já invocando? Quis dizer que você é amigo da gente! 

-Sei, e a lua falta um pedaço!

-Homi! Mas, deixa pra lá. Não se desentorta um galho envelhecido!

 E as novas, Boca?...

-Novas que já são velhas e outras que já esperávamos.

-Não entendi.

-Não entendeu o quê?...

-Novas que são velhas!...

-Entenda, intelectual, não existe novidade no que eu soube. É um filme reprisado, com final igual. Apenas mudaram alguns atores. Quer dizer: aumentaram o número de artistas... artistas que são bandidos. Aliás, nesse "longa" onde não existem mocinhos!

-Explica, Boca do Inferno!

-Só se for o da Bahia! Inferno, inferno, é a tua madrinha!

-Conta, Boca do Inferno baiano!

-Ah, assim tá bom! Então quer saber! Não leu as últimas notícias? Pois lá vai!...

- Espere, lá vem doutora Edilene!

-Lima de Sousa, com S. E bonita por natureza!...

-Jorge Ben!...

-O quê?

-Me lembrei da letra da música! 


-Como vai, jornalista! Que prazer! Sempre perguntava pela sua pessoa. Pode perguntar ao Boca!

-Verdade, doutora. Ele anda meio de queda pela senhorita até pintou os cabelos de novo!

-Isso é gozação, Boca do Inferno. E agora é inferno, inferno, dos vermelhinhos. Despeitado!

-Calma, pessoal. É como eu disse naquele dia, parecem o gato e o rato! Só vivem brigando!

-É, não, doutora Edilene, é que ele tem raiva de mim, porque eu leio e sou mais novo!

- Era só o que faltava, Zé do Povo querendo ser criança! Toma a chupeta, neném! Se fosse noutro local, iria te mostrar o consolo!

-Não adianta, não posso fazer um asno falar inglês!

-E quem quer falar inglês?...

-Tá vendo, jornalista, ele admite que é burro!

-Burro é teu pai e um bando de jumentinhos, que são teus irmãos, e tu vais na garupa! Chupa, que é de manga! kkkkkk

-Tá bom, gente! Desejo saber as novidades!

-E era isso que íamos falar!...

-Iamos, não, vamos!...

- Pois começa, Boca. Abre tua latrina!...

-Latrina é a boca de tua mãe! Conto mais não!

-Tô brincando, homem de Deus! Não se pode nem dizer uma brincadeira! Me desculpa!

-Pela milésima vez, vou perdoar!

-O gato e o rato, kkkk

-É, não, jornalista. É ele quem começa, sempre! Mas vamos ao que interessa! Olhem, a Prefeitura, digo o prefeito e seus parceiros, aproveitaram o fato da epidemia para gastarem o dinheiro que veio do governo federal, de todas as maneiras. Foi isso que ouvi. Sem licitação ou com licitação suspeita. E agora mesmo se descobriu uma possível firma fantasma, lá da capital, que faz limpeza de casa. E ela vendeu quase um milhão de reais, oferecendo um material que não é do seu ramo. E no local da suposta firma, apenas uma residência. Isso não é afrontar a justiça e achar que somos idiotas, não?...

-Sentimento da impunidade! Essa é a realidade! E olha, Boca, que na STRANS também ocorreu isso. Alguns vereadores denunciaram vários casos, mas correu uma mão de dinheiro e emprego na Prefeitura, calando os nobres parlamentares e grande parte da imprensa!

-Expliquem direitinho! Vou anotar tudo. 

-Tudo bem, Edilene. Posso chamar de Edilene?...

-Já deveria ter feito  há tempo. Ia falar isso. Sem o " doutora!"

-Pois, jornalista, esse prefeito, que não foi eleito pelo povo, é um sujeito tido como prepotente. Pode ser um bom médico, mas como pessoa humana é insensível. Ele não tem coração, tem moela. Não tem sentimentos, não frequenta uma igreja e o deus dele é o poder. Mente mais do que o melhor mentiroso, e foi o responsável pela condenação do deputado que se elegeu prefeito. E o estranho é que ele apoiou sua candidatura e ainda colocou o poder público à disposição, gastando fábulas de dinheiro, conforme comentários, para alcançar seu objetivo. O cara, numa melhor definição, é louco!

-E por que não o denunciam à justiça!...

-Edilene, os vereadores têm o rabo preso, de uma forma ou de outra, e as pessoas ficam com medo de sofrerem represálias

-Volto a dizer: e a justiça?

- Ora, jornalista, é preciso se fazer uma auditoria, se verificar tudo dentro da Prefeitura, se denunciando ao MPF e PF.

- Entendi...

-Jornalista, um vereador o chamou disso e daquilo. Disse que ele tinha capangas. E falou bem claro. Não pediu segredo. E ele sabe que é verdade. 

-Boca, e a posição dele, agora, após a eleição?...

-Tá se valendo do fato do mandato se encerrar em dezembro, pois os milhões que vieram não entraram nem nos cofres da edilidade, pelo que ouvi dizer. E o setor para o qual veio a grana, a saúde, foi cortada a gratificação dos funcionários, o pagamento começa a atrasar e não há perspectivas de melhoras 

-Estão se valendo do governo estadual

-É, Zé do Povo, mas o governador não pode deslocar verba para obras inacabadas, quando já houve dotação para tal. Essas construções estão em ruínas, como é o caso de uma UPA! Além do mais, alguns dos vereadores recém-eleitos garantem investigar todas as irregularidades da gestão, desde que o prefeito legítimo foi afastado.

- Quem foi afastado?...

-O prefeito que foi eleito. Afastado, sem julgamento, sem se saber qual a sua culpa, somente porque quiseram afastar.

-É, a coisa tá complicada!

- E bota complicação nisso, jornalista! Vamos aguardar o que nos reserva a nova Câmara. Se fizerem um trabalho bom!...

-Como diria um saudoso deputado: du vi dê o dó! Mais gente, já estão oferecendo é milhares de reais, pelo voto para presidente da mesa diretora, além de vários cargos!

- E, se for assim, tudo como dantes, no quartel de Abrantes!

-Só falta dizer: Tchau que já me vou!...

- Doutor Raiz. Acertei?...

- Certo, certíssimo! A jornalista está se acostumando. É de onde?...

-Do Rio de Janeiro, fornada pela PUC. Estou fazendo um trabalho sobre o Nordeste e coronelismo político.

-Pois encontrou o lugar certo. Aqui ainda é tudo de família para família.

- Mas tem que ter dinheiro, também!

- Se não for incômodo, Edilene aceita tomar um refrigerante?...

- Eu não disse! Olha a cantada!...

- Que cantada, Boca de molambo. Tô te convidando, também!

- Então vamos os três!...

-Falou, Edilene. Agora ele fica só na vontade!

- Vai te lascar, Boca de bicheira!

- Eita povo pra brigar!

- A senhorita tem um sotaque bonito!

-Agora é tu, né, Boca. Vou ficar calado!


*Marcos Nogueira é jornalista