Alegando estar recebendo pessoas de risco em celebrações, no caso da covid-19, o padre Espedito Caetano da Silva, pároco daquele município, foi denunciado ao Ministério Público, pelo agente de vigilância sanitária da cidade, alegando que o religioso teria descumprido o decreto municipal 022/2020, que trata da presença de pessoas que fazem parte do grupo de risco em aglomerações públicas.

O padre  prestou depoimento na delegacia de polícia civil, em Patos, nessa quinta-feira, (05) e aguarda os trâmites judiciais.

Segundo relatos do dedicado sacerdote, as celebrações vinham sendo feitas dentro dos cuidados adotados pela Diocese de Patos, sendo uma das preocupações do bispo, dom Eraldo Bispo da Silva, no sentido  dos fiéis entrarem na igreja, totalmente protegidos, a fim de não haver impedimento de acesso às igrejas. Isto é: não serem  obstaculados de frequentarem os templos sagrados, de vez que estavam obedecendo todas as regras de distanciamento e normas do decreto.



Por esse motivo, o vigário resolveu fechar a igreja para as missas e demais atividades religiosas, mesmo tomando as medidas de controle sanitário. 

Segundo  revelou, as pessoas idosas são mais assíduas nas casas de Deus, e a fé é mais acentuadas quando da sua prática. " Esse procedimento nos remete a outras cidades da Paraíba, como Alhandra, onde o vigário foi apreendido, levado que foi à delegacia, escoltado pela polícia municipal daquela cidade litorânea "

Veja nota da Paróquia de São José:

NOTA AOS PAROQUIANOS

A Paróquia de São José do Bonfim, vem, através da presente, com profunda consternação, comunicar aos paroquianos que – mesmo tomando todas as medidas sanitárias determinadas pelas autoridades competentes e orientações da Igreja Diocesana: com zelo, grande esforço, onerosos custos financeiros e as determinadas medidas de controle sanitário – terá que fechar a igreja, para as missas  e demais atividades religiosas, por tempo indeterminado.

O fato é que o pároco, Pe. Espedito Caetano da Silva, foi denunciado ao Ministério Público pelo agente de vigilância sanitária do município, que com base no decreto 022/2020, da Prefeitura Municipal de São José do Bonfim, acusa o pároco de desobedecer o tal decreto ao permitir a presença de pessoas que fazem parte do grupo de risco, participando da Santa Missa: referindo-se principalmente às pessoas com mais de sessenta anos. É lamentável que os paroquianos fiquem sem a assistência religiosa, nesse tempo de mais necessidade espiritual dado as consequências desse espantoso surto de pandemia.

O Pe. Espedito Caetano já foi ouvido na delegacia da Polícia Civil, em Patos, nessa quinta-feira (05/11-2020), e aguarda os trâmites judiciais para o retorno às atividades presenciais na igreja matriz e comunidades. Rezemos para que o Bom Deus acompanhe toda essa situação com os recursos da justiça divina.

São José do Bonfim, 06 de novembro de 2020

Pe. Espedito Caetano da Silva - Pároco

O blogdonegreiros1.com disponibiliza o espaço para alguma manifestação por parte da vigilância sanitária de São José do Bonfim 

Por Marcelo Negreiros