Foto: Jena Ardell/Getty

Residentes da cidade chinesa lotam estabelecimentos para celebrar chegada do novo ano. Regras sanitárias não são seguidas

Moradores da cidade de Wuhan, na China, onde há exatamente um ano eram comunicados os primeiros casos de Covid-19 no país, lotam casas noturnas para comemorar a chegada do Ano-Novo – mesmo que o Réveillon do país asiático seja celebrado oficialmente apenas em fevereiro do próximo ano.


As aglomerações em clubes e boates ocorrem enquanto o mundo volta a adotar medidas para frear o avanço da doença e de uma nova variante encontrada no Reino Unido. De acordo com pesquisas, a cepa é mais transmissível.

Nas festas, frequentadas, em sua maioria, por jovens, regras sanitárias, como o distanciamento social, não são seguidas.

Aglomerados, algumas pessoas sequer fazem o uso da máscara de proteção, recomendada por autoridades sanitárias para frear o avanço da Covid-19.

O novo coronavírus já infectou mais de 82 milhões de pessoas e matou mais de 1,8 milhão em todo o mundo.

De acordo com o governo local, Wuhan, que tem 11 milhões de habitantes, não registra um novo caso da doença desde 10 de maio, após passar por um dos mais rígidos lockdowns do mundo.

Ano Novo ao redor do mundo

Japão, China, Taiwan, Singapura, Coreia do Sul e Coreia do Norte também já estão em 2021. Por voltas das 12h no horário de Brasília, os países asiáticos celebraram a chegada do novo ano. A Coreia do Norte, um dos países mais fechados do mundo, promoveu um show, sem distanciamento social, mas com a utilização de máscaras.

Também já é 2021 na Nova Zelândia. O país da Oceania comemorou a virada de ano por volta das 8h no horário de Brasília. Fogos de artifício e aglomerações marcaram a celebração e causaram uma certa “inveja” nos brasileiros. Na Austrália, o ano-novo já chegou também, quando os relógios marcavam 10h no Brasil.

A Nova Zelândia é um dos países tidos como referência no combate à pandemia de coronavírus. Até esta quinta-feira (31/12), o país registrou apenas 2.162 casos de Covid-19 e 25 mortes em decorrência da doença em seu território.

Com informações de Metrópoles