Foto: Marcelo Negreiros

A TV Sol completou na terça-feira, 8 de dezembro, cinco anos de existência. Por esse motivo, narro aqui como foi esse início.

Era mês de março, quando recebi uma mensagem via redes sociais, de Jânio Medeiros, perguntando se eu ainda toparia trabalhar em TV.

Já se comentava na cidade que ele tinha pretensão de abrir uma emissora de televisão. Respondi que não pensava mais em atuar na área, mas pra ele seria diferente, poderia mudar de opinião. Ele pediu para que fosse ao seu escritório e, lá, me confessou, “Sou sincero em lhe dizer, esse convite seria para o jornalista Cláudio Pascoal, mas na ausência, me veio à memória, sua pessoa”; agradeci e combinamos executar o projeto.

O colega Cláudio Pascoal havia morrido há pouco tempo.

Encontrava-se na cidade um representante comercial, que trabalha com equipamentos eletrônicos, e fizemos planos para a aquisição do material para estúdio e externa, o que depois foi abortado devido à logística muito além das necessidades.

A criação da TV era de sinal fechado, o que teria que ser repensado como tal e não uma grande emissora de sinal aberto, onde os recursos comerciais compensariam um investimento maior.

Dentro da primeira ideia, veio junto um local para funcionamento, que de momento se pensou no escritório comercial da Solnet, na rua Vidal de Negreiros, depois um galpão, que fica por trás das instalações de Seudão Automotores, à época. Ainda, nessa fase, indiquei para Jânio o ex-diretor de programação e eventos das Tvs. Paraíba e Cabo Branco, Paulo Pena, para a implantação das instalações, o que também não foi dado continuidade, devido à reformulação do projeto.


Logo após, Jânio contratou Luciano Fortunato ex-marketing da Indústria Coroa; foi uma medida acertada, pois Luciano, além de dinâmico, era ágil e imediatista, o que fez com que os projetos saíssem imediatamente do papel.

Foi tempo em que Jânio concluiu o prédio, onde hoje funcionam as empresas do grupo SOL, e ele disponibilizou parte do local para a TV.

Nessas alturas, convidei a jornalista Edicelma Ramos e começamos a treiná-la para as reportagens. Cobrimos o São João 2014, com diversas matérias, mas Edicelma não podia assumir compromisso conosco, pois poderia sair de Patos a qualquer momento, o que aconteceu logo depois e hoje mora em Dubai.

Começaram a chegar curricula de vários profissionais, ao mesmo tempo que estudávamos a grade de programação com programas de entrevistas. Foi hora de preparar estúdios e cenários para gravações. 

A determinação de Jânio era para que os programas locais contassem com profissionais  da cidade. Foi quando surgiram as indicações de Izaías Nóbrega, Luis Gonzaga Lima de Morais e Silvio Romero.

Fomos criando os cenários com painéis substituíveis, iluminação fria e cabeação móveis.

Nisso, a Solnet distribuía por toda a cidade fibra ótica e aparelhos de distribuição de imagens. No São João 2014, foram instaladas de modo provisório, Tvs em um café e em alguns camarotes no Terreiro do Forró.

Foram contratados para a produção, os jornalistas Roberta Bezerra e Matheus Marques para edição de imagens. 

Começamos a treiná-los. A primeira reportagem foi uma exposição de fotografia no Centro de Cultura, Amauri de Carvalho e, na sequência, uma apresentação do Projeto Prima, na Igreja de Santo Antônio. Começou aí o despertar dois talentos na produção e edição.

Precisávamos de uma repórter de externa e Roberta Bezerra havia trabalhado durante muitos anos na produção de programas de uma empresa de medicamentos, no Ceará, e não se sentia segura para fazer reportagens. Em uma festa no Patos Water Play, fomos fazer a cobertura e, lá, pedi para Matheus Marques fazer uma “passagem” com ela, foi quando descobrimos o talento dela nas duas funções. A partir dali, ficamos mais completos.

Em outro instante, começou a viabilidade do estúdio de gravação e apresentação do jornal. A cada momento, enquanto idealizávamos como construir o estúdio, Jânio, como sempre, de cabeça baixa e o celular na mão, já ia providenciando os equipamentos. Que, diga-se de passagem, era o que tinha de mais moderno tanto na captação de imagens, como na edição.

Foi muita dor de cabeça para ajustar equipamentos e ficar dentro de um padrão que não deixava nada a desejar das grandes produções do país.

E veio um grande desafio, cobrirmos, em uma transmissão “Ao Vivo” a ordenação sacerdotal do bispo Dom Paulo Jacson.

Fomos a João Pessoa, Jânio adquiriu equipamentos, como câmeras e uma mesa para a transmissão e cortes. Treinamos o pessoal e fizemos a cobertura, inédita em Patos, com empresa da terra. Tudo transmitido pelo Youtube e pelo canal da Rede Vida local. Não ficamos com esse arquivo por conta da política do Youtube que não permite canal novo ter arquivo superior a uma hora de gravação. Mas foi um desafio vencido com bravura e determinação.

Outro grande desafio, foi a data idealizada por Jânio para a estreia, 24 de outubro, dia do aniversário da cidade.

Para isso, mais contratações e uma correria de louco para produzirmos as matérias especiais. A apresentação do programa foi da jornalista Ingrid Feijó, hoje na Tv Tambaú. 

As matérias foram produzidas, mas não deu tempo estrear na data marcada, e aí veio mais uma contratação para a produção, Luanja Dantas, ganhando um impulso extra e no dia 08 de dezembro de 2015, a TV Sol entrou no ar.

Hoje, readaptada pelo visionário Jânio Medeiros, é a TV da cidade de Patos, sem diferença de qualquer um outro canal de televisão.

E do tudo, somente parabenizar um jovem e uma equipe de jornalistas, que ousaram ser grandes e que grandes se tornaram!

* Muitos nomes não foram citados aqui, porque cada um teve sua importância e ficaria muito extenso nominar um por um.

Negreiros de Marcelo Negreiros


Negreiros de Marcelo Negreiros
Por Marcelo Negreiros para blogdonegreiros1.com