Foto: Siphiwe Sibeko/Reuters

Análise feita pelo governo mostra que 50% dos casos testados deram falso negativo; análises prévias sugeriam que percentual seria de 5%

Uma análise feita pelo governo do Reino Unido mostra que 50% dos testes rápidos falham ao diagnosticar casos de covid-19. A constatação veio a partir de um documento divulgado pelo Departamento de Saúde e Assistência social, que afirma: “Na avaliação de campo em Liverpool, em comparação com os testes PCR, esses testes pegaram 5 em 10 dos casos detectados pelo PCR. O percentual sobe para 7 em cada 10 em casos com cargas virais mais altas. Esses testes não irão detectar todo os que têm covid-19”.


As informações foram divulgadas pelo jornal The Independent recentemente e mostram que validações anteriores de laboratórios afirmaram que os testes eram suscetíveis a acusar falso negativo em somente 5% das infecções.

De acordo com especialistas, a discrepância pode estar relacionada ao fato de que testes em laboratório são feitos em ambiente controlado, onde há pouco espaço para erro humano.

O fato causa preocupação, dado que durante essa semana havia planos de que os testes rápidos fossem adotados em massa por lares de idosos, a fim de permitir que pessoas visitassem seus parentes — além disso, trata-se de uma época em que alunos começam a voltar para suas casas, com as férias, o que pode agravar a disseminação do vírus com diagnósticos equivocados.

No Brasil, as informações sobre os testes ainda consideram uma discrepância próxima de 5%. Segundo o Ministério da Saúde, os testes rápidos são capazes de apresentar uma especificidade mínima de 94% para o anticorpo IgM. Ou seja, 94 em cada 100 pessoas realmente sem os anticorpos IgM apresentaram um teste negativo e 6 pessoas, apesar de não terem esse anticorpo, apresentaram um teste positivo.

Com informações de Exame