Foto: Carmat

O coração artifical produzido pela empresa francesa Carmat  ganhou a certificação – CE – da União Europeia e será comercializado.

O dispositivo artificial será usado para transplante cardíaco de pacientes com insuficiência cardíaca irreversível que se encontra em fase terminal.

A empresa planeja aumentar a produção para permitir o lançamento do dispositivo no segundo trimestre de 2021.


Invenção

O coração artificial veio da combinação da experiência do cirurgião cardíaco Alain Carpentier, que foi pioneiro no reparo da válvula mitral e inventou as válvulas cardíacas Carpentier-Edwards, e a tecnologia da empresa aeroespacial Matra Défense – Grupo Airbus.

A Carmat conseguiu a marca CE após 10 anos do desenvolvimento do dispositivo cardíaco, informou o CEO da empresa, Stephane Piat.

“É um recorde, dada a complexidade de um dispositivo deste tipo.

Agora temos que trabalhar com médicos e centros de saúde para oferecer nossa terapia e temos que encontrar pacientes. A fase de produção será delicada ”.

Como funciona

O sistema eletro-hidráulico da Carmat imita a ação do coração humano, restaurando a circulação sanguínea normal por todo o corpo.

O sistema inclui um componente implantável em forma de coração humano.

O coração bioprotético inclui quatro válvulas biológicas que mantêm o sangue pulsando através da unidade em uma direção, duas cavidades ventriculares separadas por uma membrana, uma unidade de bomba de motor e componentes eletrônicos e sensores integrados que permitem que a unidade responda às necessidades fisiológicas do paciente.

Uma cavidade ventricular contém sangue e a outra contém fluido de acionamento. Uma bolsa externa também contém líquido de acionamento.

O sistema eletro-hidráulico da Carmat imita a ação do coração humano, restaurando a circulação sanguínea normal por todo o corpo.

Fotos: Divulgação




Com informações da BioWorld