Ivalino Raimundo da Silva, operador de câmera conhecido como Gaúcho no "Domingão do Faustão", morreu no dia 28 de dezembro, aos 81 anos, por complicações da Covid-19.

De acordo com Ruth Gomes Pereira, viúva de Ivalino, ele foi internado na véspera de Natal, no Hospital Geral do Ingá, em Niterói, após apresentar problemas pulmonares. No dia 28, no entanto, ele teve duas paradas cardíacas e não resistiu. Além da mulher, ele deixa 4 filhos, 4 netos e 1 bisneto.


"Ele vinha sofrendo de Mal de Parkinson há 24 anos, desde que saiu da TV Globo, em 1996. Apesar de ser uma doença progressiva, ele levava uma vida normal. Mas no final de 2019 ele teve um problema pulmonar e foi internado. A partir dessa internação, ele ficou debilitado e, desde então, tinha o tratamento de home care", conta a viúva, em entrevista à Quem, ressaltando que ele precisou ficar acamado.

"Ele não tinha mais nenhum problema clínico. Ficou com a fala prejudicada e acabou ficando com mais sono, falando pouco. Mas tinha fono, fisioterapeuta, uma alimentação especial. A grande dúvida é sobre como ele pegou Covid. Porque seguíamos todos os protocolos, o uso de máscara, álcool gel, isolamento. Ele foi para o hospital porque apresentou um problema no pulmão. Lá, o primeiro teste para Covid deu negativo, já o segundo positivou. Aí o problema pulmonar se agravou e a médica entrou com azitromicina, que é a medicação usada para o novo coronavírus", continua.

De acordo com Ruth, Ivalino ganhou o apelido "Gaúcho" por ser do Rio Grande do Sul. Apesar disso, foi no sudeste, mais especificamente no Rio de Janeiro, que sua carreira deslanchou.

"Ele tem uma história muito rica na televisão, trabalhou com Chacrinha por muitos anos, tem até foto dos dois aqui em casa. Ele foi premiado como câmera. Agora se vai uma etapa de vida, mas ficam todas essas lembranças", lamenta ela.

No "Domingão", onde ficou de 1989 a 1996, Gaúcho era conhecido por "nunca sorrir" para as câmeras. Sobre isso, Ruth disserta. "Ele era uma pessoa doce e alegre. Mas criou aquele personagem para o Faustão porque não queria uma interferência, ele era tímido, queria ficar quieto. E o Faustão cresceu na brincadeira. A relação deles era boa. O Gaúcho só não tolerava aparecer", diz ela, garantindo o bom-humor do marido.


Com informações de Famosos de UOL