Imagine aí: você tem 12 anos de idade, está na lanchonete de seu pai, numa sexta-feira, ao meio-dia, um calor “tremendo”, sem movimento algum, e, de repente o local é invadido por uma multidão eufórica com celulares na mão querendo tirar “foto” e fazer uma selfie com um homem que você jamais imaginaria que colocaria os pés ali...

Essa pessoa foi nada mais, nada menos de que o presidente da república Jair Messias Bolsonaro que na última sexta-feira (19/02) entrou numa lanchonete em Boqueirão, no Cariri, tomou um refrigerante e quase não consegue sair do local.


Mas antes de ler o restante dessa matéria, se desarme do radicalismo extremista de direita ou de esquerda. 

Isso é coisa de "IDIOTA" com letras maiúsculas, coisa de parasita, gente nojenta, gente de mente medieval, de povos bárbaros.

O fato é que Bolsonaro veio ao Nordeste visitar Sertânia, em Pernambuco, aterrissou em Campina Grande, foi afagado, recebeu demandas do Prefeito Bruno Cunha Lima e seguiu para solo pernambucano em um helicóptero da Força Aérea.


Na volta aterrissou num campo de futebol em Boqueirão e foi “testar” sua popularidade.

Se foi um ato populista ou não, não importa.

Idolatrado ou odiado, Bolsonaro, sem máscara, foi o segundo chefe da nação a pisar em solo boqueirãoense depois de Juscelino Kubitscheck que esteve na cidade em 1957.


Na lanchonete, Bolsonaro foi atendido pelo garoto Wesley Medeiros, tomou o refrigerante e pagou R$ 3,50 com o cartão.

A lanchonete Ki Salgados do comerciante patoense Welton Medeiros ficou sem espaço.

Após “refrescar” a garganta, o presidente saiu tirando fotos, subiu no helicóptero, voltou para Campina Grande “pegou” o avião, se mandou para Brasília e à noite demitiu o presidente da Petrobrás.

O prefeito de Boqueirão, Marcos Freitas, fez reivindicações importantes para a cidade: reabertura do Banco do Brasil e moradias.
Odiado ou endeusado, o fato é que um presidente da República esteve na cidade, entrou numa lanchonete, molhou a goela, e foi embora.

Ache ruim ou bom, não é toda hora que um cara dessa envergadura chega a um estabelecimento no interior nordestino.

(Por www.renatodiniz.com)