Foto: Nelson Jr./ SCO/STF

A gaveta de Gilmar Mendes acumulou nos últimos anos uma série de decisões monocráticas em que determinou a paralisação de investigações e até de ações penais envolvendo poderosos, diz a Crusoé.


“Um dos casos mais emblemáticos engavetados por Gilmar acaba de completar seis meses. Numa decisão sigilosa, publicada no dia 20 de agosto, o ministro suspendeu uma ação penal contra o senador tucano José Serra e a filha dele, Verônica, pelo crime de lavagem de dinheiro, em razão de supostos pagamentos ilícitos feitos pela Odebrecht em contas na Suíça.”