Foto: blogdonegreiros1


O Oceano Atlântico Sul na altura da costa leste do Nordeste deverá se manter frio ao longo de todo o mês de fevereiro, prevê o físico, meteorologista e mestre em Meteorologia Rodrigo Cézar Limeira, com isso a estação chuvosa do Semiárido do setor norte do Nordeste, do qual faz parte o Semiárido da Paraíba, não vai começar em fevereiro, pontua.


Com a umidade do ar abaixo do normal no Semiárido agora no início de fevereiro, situação observada desde dezembro, uma elevação da mesma, está prevista para ocorrer a partir do dia 14 prevê Rodrigo Cézar.


Nesse contexto, 03 fenômenos meteorológicos poderão atuar na região, a Zona de Convergência do Atlântico Sul, que é um canal de umidade que atualmente vai do interior da Bahia até o sul do Pará, em conjunto com um Vórtice Ciclônico de Altos Níveis que de uma semana pra cá esteve com núcleo sobre os estados da PB, RN, PE e CE, com isso inibiu a formação de nuvens de chuvas sobre o interior desses estados, há também a Oscilação Maddem-Juliam, que indica nos próximos dias a chegada de uma onda de energia em altos níveis na atmosfera, associada ao sinal positivo para chuvas sobre o Nordeste, algo que vai intensificar a convecção pelos próximos 10 ou 15 dias, criando condições para que haja formação significativa de nuvens de chuva por dias seguidos no Semiárido.


Como a previsão do tempo é uma aproximação das condições do tempo que pode ser vigente nos próximos dias, o físico Rodrigo Cézar afirma que as primeiras chuvas isoladas no Semiárido dos citados estados, poderão ser observadas já a partir do dia 11 de fevereiro.


Mesmo com a Zona de Convergência Intertropical atuando ao norte de sua climatologia atualmente, dévido as condições desfavoráveis do Atlântico Sul na altura da costa leste do Nordeste, a perspectiva é boa para chuva em muitos municípios do Semiárido dos citados estados na segunda metade de fevereiro, mas para a quadra chuvosa da região prevê o físico, as chuvas poderão variar de normais a abaixo da média, com probabilidade alta de ficarem abaixo da média na maioria das localidades do Semiárido da PB, RN, PE e CE em 2021.


Portal Ciência em Foco