Foto: Reprodução

Da CNN, em São Paulo

No quadro Liberdade de Opinião desta quarta-feira (24), o jornalista avalia a decisão do Supremo de que o ex-juiz foi parcial ao condenar o ex-presidente Lula

No quadro Liberdade de Opinião desta quarta-feira (24), Alexandre Garcia avaliou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de que o ex-juiz Sergio Moro foi parcial ao condenar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Se tivesse que resumir numa frase [a decisão], eu diria que o Supremo inverte a relação mocinho e bandido. Ficou bandido e mocinho, e com base em provas obtidas por bandidos, que ironia”, disse o jornalista.


“A ministra Cármen Lúcia mudou o voto de dezembro de 2018, em que ela considerava Sergio Moro insuspeito, com base em novas informações. E quais são as novas informações? As provas obtidas ilegalmente. Está muito claro no artigo 5º da Constituição: são inadmissíveis no processo as provas obtidas ilegalmente. Mas passou-se por cima disso. E o ministro Gilmar Mendes agindo como um tribuno, sem a serenidade de um juiz. Foi o que vimos acontecer.”

O Liberdade de Opinião tem a participação de Sidney Rezende e Alexandre Garcia. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

As opiniões expressas nesta publicação não refletem, necessariamente, o posicionamento da CNN ou seus funcionários.

Com informações da CNN Brasil