O livro “Asfora: Uma Morte, Uma Polêmica”, de autoria do Desembargador do Tribunal de Justiça da Paraíba, Leandro dos Santos, será lançado, virtualmente, até o final deste mês e estará brevemente nas livrarias. A publicação acaba de sair pela Trindade Editorial e Editora Ideia e vem com 349 páginas, distribuídas em oito capítulos, numa narrativa detalhada sobre o processo criminal, desde a fase do inquérito, até os dois julgamentos pelo Júri Popular de Campina Grande. O livro é prefaciado pelo professor e escritor, João Trindade, que também fez a revisão e edição.

Também está previsto um lançamento presencial, em Campina Grande, em março do próximo ano, 35 anos depois da morte de Asfora. O Desembargador Leandro dos Santos informou que o trabalho de pesquisa e desenvolvimento do livro, teve início em março do ano passado, quando surgiu a pandemia. Ele revelou que investigou, minuciosamente, a causa jurídica da morte de Raimundo, por força de duas teses antagônicas: assassinato ou suicídio. 


De acordo com o autor, o livro ainda aborda Raimundo Asfora como homem, advogado, tribuno, político e poeta. “O livro traz muitas polêmicas, que vai prender o leitor do início ao fim. Seja também um ‘juiz’ da causa, após analisar todas as provas colhidas ao longo de uma ação penal extensa e intensa, principalmente dos laudos periciais, que são muitos. Procurei, na medida do possível não entrar no mérito”, adiantou o magistrado.

O ex-vice-governador eleito da Paraíba, Raimundo Asfora, foi encontrado morto no dia 6 de março de 1987, em sua residência, na Granja Uirapuru, nos arredores de Campina Grande, próximo ao açude Bodocongó. Na época, Asfora tinha 57 anos de idade e não chegou a assumir o cargo de vice-governador do Estado, juntamente com Tarcísio Burity, que fora eleito governador pelo PMDB.

                                     
Desembargador Leandro dos Santos


Por Fernando Patriota