Ricardo Coutinho tornou-se réu, pela 9ª vez, em ação penal remanescentes da Operação Calvário. O juiz Marcial Henrique Ferraz da Cruz (2ª Vara Criminal) acatou, nessa terça (dia 9), a denúncia do Gaeco. 

Ricardo Coutinho é acusado de pedir e receber dinheiro de propina da Santana Agroindustrial.

Além de Ricardo Coutinho, também tornaram-se réus seus irmãos Coriolano e Raquel Coutinho, afora o seu filho Rico Coutinho (Ricardo Cerqueira Leite Vieira Coutinho). 

Os demais réus são o empresário Ivanilson Araújo, Anelvina Sales Neta e  Denise Krummenauer Pahim.

Publicidade

A 23ª denúncia apresentada pelo Gaeco aponta o recebimento de propinas de 10% sobre operações da empresa, que foi fornecedora de ração e sementes. 

O dinheiro teria sido usado na compra de uma casa em condomínio de luxo  no Altiplano.

Denúncia – Conforme a denúncia, o valor do imóvel localizado no condomínio Bosque das Orquídeas (Portal do Sol) foi avaliado inicialmente em R$ 1,7 milhão. 

O empresário Ivanilson Araújo teria sido o responsável de “acertar” contratos com o governo do Estado e repassar parte do dinheiro de volta para parentes do ex-governador.

De acordo com as investigações, a triangulação da operação teria ocorrido através da simulação de compra de um terreno na região de Macaíba, no Rio Grande do Norte, na tentativa de apagar pistas do esquema.

Publicidade

Aponta a denúncia do Gaeco que Rico teria simulado a “compra e venda de imóvel com o pai, Ricardo Vieira Coutinho, visando a ocultação da origem ilícita do patrimônio deste, sendo o dinheiro auferido com a suposta transação empregado na aquisição do imóvel residencial de Ricardo Vieira Coutinho, objeto desta denúncia, dando aspecto de licitude à transação”.

Na denúncia, Rico é acusado de lavagem de dinheiro, enquanto os outros denunciados respondem por crimes de lavagem e corrupção passiva. A força-tarefa calcula que o grupo deve reparar os cofres públicos em R$ 7,3 milhões, por dano ao erário.

De acordo com as investigações, Ivanilson, proprietário da Santana Agroindustrial, recebeu do governo estadual R$ 2,9 milhões em 22 de fevereiro de 2018 e, dez dias depois, teria repassado R$ 300 mil para Raquel Coutinho.

Na sequência, a irmão do então governador, em 9 de março, teria feito um depósito de R$ 289 mil em aplicação usada por Ricardo Coutinho para, em 14 de março de 2018, compor os R$ 409,9 mil dados como parte da aquisição do imóvel.

Ainda na denúncia, o Gaeco descreve também uma doação de R$ 10,2 mil, feita pelo grupo empresarial, para a Fazenda Angicos, em “silagem de sorgo”, através de Coriolano, que se apresenta como proprietário do imóvel, apesar das suspeitas do Gaeco de que pertence, na verdade, a Ricardo Coutinho.

Faturamento – Ainda de acordo com as investigações, com dados obtidos no Sistema Sagres (Tribunal de Contas do Estado), a empresa Santana Agroindustrial faturou R$ 70 milhões entre 2011 e 2018.


Reportagem do Blog do Helder Moura