Em seu novo momento profissional, o repórter pretende criar uma ONG ou escrever livros. (Imagem: Globo/Divulgação).



O repórter faz parte da equipe da emissora há 34 anos: “Fiz de tudo no jornalismo”

O jornalista Marcos Uchoa está deixando a TV Globo. O anúncio foi feito nesta sexta-feira, 5, em entrevista ao site do Globo Esporte. 

O repórter revelou, ainda, que a saída do canal de televisão será em busca de uma renovação em sua carreira.

Publicidade

“Fiz de tudo no jornalismo. Cobri olimpíadas, copas, guerras, revoluções, desastres. 

Mostrei muita gente fazendo muita coisa. Resolvi tentar fazer também. Em vez de entrevistar o piloto, ser o piloto”, afirmou à equipe do GE.

A despedida de Uchoa será feita na próxima segunda-feira, 22h, no programa ‘Bem, Amigos’, do Sportv. O momento marcará o início da nova trajetória, que ele mesmo define como uma etapa para “ajudar mais efetivamente as pessoas”. 

As possibilidades citadas por ele passam pela escrita de livro e pela criação de uma ONG.

"Não foi algo pensado. Mas eu realmente já fiz de tudo no jornalismo. Ao Catar, já fui oito vezes. Então, cobrir a próxima copa seria, digamos assim, “mais do mesmo”, apesar de sabermos que jornalismo não é algo previsível. 

E houve uma conjunção de trabalhos recentes, super produtivos e importantes, que me deram a certeza de serem uma mensagem para que eu fechasse o ciclo”,

explicou o jornalista.

Publicidade

Repórter há 38 anos, Marcos Uchoa compôs a maior parte de sua história profissional na Globo, totalizando 34. Na emissora, participou de coberturas de copas do mundo, Jogos Olímpicos e entrevistou grandes nomes do esporte, como Pelé, Ayrton Senna, Michael Phelps e Michael Jordan.

Na emissora, a despedida torna-se momento de elogios e de homenagem ao repórter. O diretor de Esporte da Globo, Renato Ribeiro, destaca o lado humano de Uchoa.

“Não estamos falando de qualquer repórter, mas do repórter. Imagine um ídolo esportivo: Pelé? Senna? Michael Jordan? Phelps? Tyson? Ronaldo? Schumacher? Todos passaram pelo microfone dele. 

Foram 11 anos morando em Londres, quatro em Paris, oito guerras, tsunamis, Davos, G-7, G-20, Carnavais, 115 países. Mas acima de tudo Uchoa era um repórter de gente, um repórter que gostava e gosta de gente”, destaca o diretor.



Reportagem de Júlia Renó para Comunique-se