Foto: blogdonegreiros1.com


A Fazenda Tamanduá, localizada no município de Santa Terezinha(PB), Sertão da Paraíba, em parceria com o curso de Medicina Veterinária da UniFip, reuniu nessa quinta-feira, 11, em sua sede, várias instituições, como:  SUDEMA, IBAMA, GEOSAC e Polícia Ambiental, com o objetivo de estruturar fisica e burocráticamente, um Centro de Apoio a animais, para serem reintegrados ao Bioma caatinga.

A finalidade e preocupação do proprietário da fazenda é que sejam reintroduzidos, na reserva ambiental, animais sadios: “O que acontecia era que traziam animais muitas vezes, machucados e aí, devido ao estresse, acabavam não resistindo", ressaltou, Pierre Landolt.

Publicidade


Ele reforçou ainda que “os estudantes do curso de veterinária vão aprender a lidar com o estresse do animal selvagem, que é algo intrigante”. Consequentemente, os resultados serão bem mais interessantes quanto à saúde dos bichos para a reintrodução

O médico veterinário Thiago Nery, responsável pelo zoológico da Bica em João Pessoa e professor da disciplina de animais selvagens na UniFip, destacou o otimismo em ver um ambiente que, diferente de tantos lugares onde ele só encontra notícias desfavoráveis, depara com um ambiente onde é preservada a fauna e com viveiro de adaptação animal onde pode ser avaliada a situação das aves. Pra ele, é uma situação bastante singular.

Publicidade

Na oportunidade, o IBAMA soltou várias aves de pequeno porte, de várias espécies, no viveiro da fazenda e outras de grande porte em outro local da FT.

Representando o superintendente da SUDEMA, a diretora técnica, Joanna Nóbrega, falou da satisfação em participar dessa soltura de aves e ver de perto o trabalho desenvolvido pela Fazenda Tamanduá, no cuidado com a fauna e a preocupação em devolver os animais à natureza.

Já o superintendente do IBAMA, Dalys Henrique de Andrade Lima, considerou cem por cento favorável, essa visita, por reconhecer um belo trabalho ecológico desenvolvido pela FT, observando a conservação das matas ciliares na região e, consequentemente, respeitando a preservação dos animais, oferecendo condições de readaptação.

Agora, para a implantação do Centro de Reabilitação, serão necessários os trâmites burocráticos e a estruturação da área para os cuidados animais, com integração com as estruturas desses órgãos na capital. 

O chefe de Divisão de Fauna da SUDEMA, Leandro Costa Silvestre, informou que a viabilidade da implantação só precisa seguir a as instruções normativas para que o Centro que será implantado possua todos os requisitos necessários para que seja reconhecido por todos os órgãos..


Assista ao vídeo: 



Da redação blogdonegreiros1.com